MENU

Psicopedagoga orienta sobre gestão do tempo durante a pandemia

Na Live Tiradentes, Verônica Becker falou sobre como se organizar, manter o foco e atingir as metas acadêmicas

às 20h20
Live está disponível no Youtube da Unit/AL
Live está disponível no Youtube da Unit/AL
Compartilhe:

“Não consigo dar conta de tudo”. Se você já se deparou com este pensamento durante a pandemia, saiba que não está sozinho. A mudança drástica na rotina de estudos, trabalho e no convívio social tem sido um desafio e tanto para muitas pessoas, que precisam repensar a forma de planejar e desenvolver suas atividades diárias. Nessa quarta-feira (3), o Centro Universitário Tiradentes (Unit/AL) promoveu a live ‘Gestão do Tempo: como alcançar suas metas’ para discutir o tema com a comunidade acadêmica e a sociedade.

À frente da conversa estava a psicopedagoga do Núcleo de Apoio Pedagógico e Psicossocial (Napps) da Unit/AL, Verônica Becker Wolff, graduada em Letras, pós-graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional, com capacitações na área de Inclusão no Ensino Superior. O evento foi mediado pela assistente social do Napps, Mayra Vilar, e contou com a tradução em Libras da intérprete Cláudia Nascimento.

Segundo Verônica Becker, o primeiro ingrediente da receita para manter o foco, gerenciar melhor o tempo e atingir as metas traçadas é a organização. “É preciso dividir o tempo entre trabalho, estudo, família e casa. Alguns dos nossos alunos são pais, mães, têm filhos e diversas atividades para desenvolver durante o dia. Não é fácil gerir tudo isso. Uma dica é anotar o que precisa fazer no dia e o tempo para cada atividade”, afirmou a psicopedagoga.

A quebra de rotina tem provocado procrastinação e feito com que muitas pessoas não cumpram suas atividades acadêmicas e laborais. Para alguns estudantes, uma das dificuldades é retomar o hábito da leitura. Becker destaca que, neste momento de pandemia, todos estão mais direcionados a assistir filmes, séries, se conectar com o mundo por meio da televisão e interagir com outras pessoas pelas redes sociais. Manter o hábito de ler exige a definição de momentos específicos para isso.

“Pode ser uma vez ao dia ou três vezes na semana, por exemplo. Não há fórmula mágica, cada pessoa se adapta à sua realidade e rotina diária. Se não deu para ler na segunda-feira, passe para a terça. No momento em que a gente está com tudo organizado, percebe que sobra tempo para fazer várias coisas”, orientou a psicopedagoga do Napps/Unit.

Verônica também analisou os efeitos da procrastinação que, em alguns casos, pode até gerar pânico. “Por isso é importante ter as anotações para ver quais atividades são primordiais em cada dia. Sempre sugiro aos alunos que também organizem a agenda semanal. Se eles têm uma atividade grande para entregar na sexta-feira e deixam para fazer na quinta à noite, a internet pode não funcionar, tudo fica mais difícil. Se conseguem fazer um pouquinho por dia, não deixam acumular, fica mais fácil”, observou.

A psicopedagoga ainda alertou que estudar para a prova poucos dias antes, além do desempenho acadêmico, pode prejudicar o sono do estudante. “Quando a gente domina o conteúdo, consegue se sair melhor. Se eu tenho cinco disciplinas, por exemplo, posso dividi-las para estudar uma a cada dia da semana, revisando o conteúdo, anotando dúvidas, resolvendo exercícios, pedindo a ajuda de colegas que dominam mais o assunto”, sugeriu.

Para manter a concentração, a dica é definir tempo de estudo com intervalos.  “Temos várias técnicas, como a Pomodoro, que são 25 minutos com pausas de cinco, por quatro tempos. Mas tem gente que consegue se concentrar por até uma hora, isso também depende muito da disciplina que se está estudando. Tem disciplinas que a gente domina, gosta do conteúdo, se identifica. Outras a gente não consegue gostar, mas tem que fazer, pois precisa delas para a formação”, diz Verônica.

Para quem trabalha de dia e tem aulas à noite, a dica é utilizar os fins de semana. “Fica muito desgastante estudar de madrugada, tem que jogar para o sábado e o domingo, duas horas por disciplina. Se não for possível, faz uma hora, com folgas de 30 minutos entre as disciplinas. Mas é importante deixar um pedacinho do fim de semana para se dedicar ao lazer, à família e à casa”, ponderou Becker.

Trabalhos em grupo

Com a pandemia, muitos estudantes passaram a enfrentar ainda mais dificuldades para realizar trabalhos em grupo. “As pessoas não pensam da mesma forma e, quando se trabalha em grupo, é preciso chegar a um denominador comum. Agora, à distância, ficou um pouco mais complicado debater ideias por WhatsApp ou em reuniões virtuais. É preciso saber respeitar o posicionamento do outro. O grupo deve ter um bom direcionamento, cada integrante tem que fazer sua parte e a cobrança também precisa ser feita. Com paciência, isso é possível”, comenta Verônica Becker.

Outra queixa recorrente de alguns alunos é que não conseguem se concentrar durante as aulas online. Segundo a psicopedagoga do Napps, é importante buscar espaços silenciosos, calmos e sem estímulos externos que possam provocar dispersão. “Se o estudante está assistindo à aula no computador, não é recomendável deixar o celular junto, porque, cada vez que algo acontecer no celular, ele vai desviar o foco para olhar”, exemplificou.

Becker também ressaltou a importância do papel da família para que o estudante possa se dedicar adequadamente às aulas. “Muitas pessoas não têm um espaço apropriado, estudam na sala, na cozinha, com um irmão pequeno jogando bola dentro de casa. No momento da aula, a família precisa entender que deve, pelo menos, fazer um pouco mais de silêncio, senão o estímulo cai, o aluno pensa que não está entendendo nada e fica mais difícil de se concentrar”, avaliou.

Clique aqui e assista à live na íntegra.

Por Álvaro Muller – Algo Mais Consultoria e Assessoria

Compartilhe: