MENU

Professora é convidada para participar de evento como pesquisadora

A odontóloga palestrou no Webseminário Nacional Teleodontologia

às 20h50
Na última sexta-feira (10/10/2018) a cirurgiã-dentista Ana Lídia Soares Cota, professora do curso de Odontologia e do programa de Pós-graduação em Sociedade, Tecnologias e Políticas Públicas da UNIT-AL, participou como pesquisadora convidada do Webseminário Nacional Teleodontologia promovido pela Coordenação Geral de Saúde Bucal do Ministério da Saúde.
Compartilhe:

O evento intitulado “Resumo da Emergência e a Atenção Integral da Criança com Síndrome Congênita do Zika” surgiu como fruto das diversas articulações que estão ocorrendo no Brasil, em razão da necessidade do cuidado integral das crianças com a referida síndrome. A transmissão em tempo real e de acesso livre para todo o país, por intermédio do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), possibilitou a interação com o público composto por Gestores e profissionais de Odontologia inseridos, preferencialmente, na Atenção Básica.

Na oportunidade, a docente palestrou sobre as “Anomalias provocadas pelo vírus Zika de interesse do cirurgião –dentista” e enfatizou que em virtude do caráter recente da epidemia, ainda são escassas as informações acerca das possíveis alterações buco-dentárias em crianças com a Síndrome Congênita do Zika. Entretanto, tem-se observado a presença de alterações dentárias de desenvolvimento, hiperplasia gengival, bruxismo e cárie dentária, muito provavelmente devido à ingestão de uma dieta predominantemente pastosa e hipercalórica, associada à dificuldade e/ou deficiência na realização da higiene bucal.

“O atendimento odontológico às crianças com microcefalia, associada ou não à Síndrome Congênita do Zika, tende a ser complexo, de difícil execução e desgastante tanto para o paciente quanto para o profissional. Desta forma, é imperioso que sejam desenvolvidas ações no âmbito da Atenção Básica voltadas tanto para a educação e promoção de saúde quanto para a prevenção de agravos orofaciais”, destacou a professora.

Compartilhe: