MENU

Novo Ensino Médio: o que deve mudar a partir de 2022?

O aluno terá em sua grade as quatro áreas do conhecimento divididas por ano ou semestre número de horas de aula por dia aumentará para cinco horas

às 14h19
O objetivo do Novo Ensino Médio é fazer com que o aluno saia da escola com capacidade de ingressar no mercado de trabalho (Unsplash)
O objetivo do Novo Ensino Médio é fazer com que o aluno saia da escola com capacidade de ingressar no mercado de trabalho (Unsplash)
Compartilhe:

O Novo Ensino Médio começa a ser implementado em todo o país a partir de 2022. As mudanças, previstas em uma lei aprovada em 2017, serão aplicadas em escolas das redes públicas e privadas, e já começam a ser implementadas pelo 1º ano dessa etapa de ensino. Dentre as mudanças, a maior novidade é que os alunos terão que cumprir os itinerários formativos, que podem começar a ser ofertados ainda em 2022, mas só serão obrigatórios a partir de 2023.

Os itinerários serão optativos, escolhidos de acordo com a vontade do estudante e a oferta da instituição, sendo eles compostos para se aprofundar nos conhecimentos das áreas de Linguagens e suas Tecnologias; Matemática e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; Ciências Humanas e Sociais Aplicadas; e Formação Técnica e Profissional. O aluno terá em sua grade essas quatro áreas do conhecimento divididas por ano ou por semestre, a depender da escola, e poderá escolher uma disciplina extra para se aprofundar em uma das áreas ou na formação técnica e profissional.

O objetivo desta implementação é fazer com que o aluno saia da escola com uma formação ou conhecimentos específicos que o ajudem a ingressar no mercado de trabalho sem precisar de um diploma de formação superior. Esta parte da grade curricular ocupará 1.200 horas do Ensino Médio, divididas nos três anos da fase escolar.

Dessa forma, o aluno poderá iniciar o itinerário escolhido no 1º ano caso esteja disponível em sua escola, sendo que o estabelecimento de ensino tem até 2023 para disponibilizar os itinerários. As redes públicas e privadas terão autonomia para definir quantos e quais itinerários formativos irão ofertar. Ou seja, uma rede pode decidir ofertar apenas dois itinerários, enquanto outra pode oferecer mais de dez. 

Vale ressaltar que não é garantido que o aluno terá vaga assegurada no itinerário que escolher, especialmente na formação profissionalizante, já que o número de vagas será limitado em cada oferta disponibilizada. Nesse caso, o estudante terá liberdade para pleitear vaga em outra escola que ofereça um itinerário que mais lhe interesse. O aluno também poderá mudar de itinerário ao longo dos três anos, caso deseje e se a instituição oferecer outra opção com vagas disponíveis.

Outras mudanças

No Novo Ensino Médio, os estudantes também terão que dedicar mais horas ao ensino escolar. Até 2024, ele passará de 800 para 1 mil horas anuais, atingindo 3 mil horas ao final dos três anos. Para atingir o total de horas, cada ano letivo deve ter 200 dias, com, em média, cinco horas por dia. Ou seja: as quatro horas atuais passam para no mínimo cinco, o que igualmente começa a valer no ano que vem.

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: