MENU

Mutirão promovido pelo 7º JECC tem 231 processos pautados


às 14h20
O mutirão acontecerá das 8h às 16h no Núcleo de Práticas Jurídicas
O mutirão acontecerá das 8h às 16h no Núcleo de Práticas Jurídicas
Compartilhe:

O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Centro Universitário Tiradentes (Unit) , em parceria com o 7º Juizado Especial Cível e Criminal (JECC) de Maceió , iniciou, nesta segunda-feira (13), mutirão com 231 processos pautados. As audiências de instrução e de conciliação seguem até hoje (17).

De acordo com o juiz Ihering Silva de Carvalho, que responde pelo 7º JECC, a força-tarefa visa dar celeridade ao andamento dos processos na unidade. O magistrado explicou que, das audiências previstas, 159 são de conciliação e 72 de instrução. “A demanda é grande e fizemos um levantamento dos casos que poderiam ser trazidos para o mutirão. Procuramos, inclusive, dar prioridade às ações envolvendo idosos”, ressaltou.

Ainda segundo o juiz, a maioria dos processos traz queixas de consumidores contra empresas de telefonia, TV por assinatura e bancos. “As pessoas passaram a conhecer mais os seus direitos e isso é importante. Estamos aqui para tentar resolver essas demandas da forma mais célere possível”, destacou Ihering de Carvalho.

Um dos casos solucionados neste primeiro dia de mutirão foi o do encanador Manoel José dos Santos. Ele teve eletrodomésticos danificados devido a uma queda de energia e receberá da Eletrobras Distribuição Alagoas (antiga Ceal) indenização, por danos morais e materiais, de R$ 2.398,00. “Saio daqui satisfeito”, disse o encanador.

     Participação de alunos

Estudantes do curso de Direito do Centro Universitário Tirantes, que funciona em Cruz das Almas, na Capital, estão participando do mutirão. Eles trabalham na digitação dos acordos e auxiliam os mediadores e conciliadores. “Os alunos têm a oportunidade de acompanhar as audiências e isso é fundamental para o aprendizado”, afirmou o coordenador do NPJ, Mário Fortes.

Mais de 300 estudantes, todos a partir do 6º período, devem participar da força-tarefa. “Para a sociedade, os mutirões trazem como ganho a celeridade processual. Já em relação aos alunos, são importantes porque promovem uma vivência prática do Direito que é essencial para a boa formação”, avaliou o coordenador.

 

Diego Silveira – Dicom TJ/AL

Compartilhe: