MENU

Mutirão da Transcidadania realizou 45 atendimentos

A segunda edição do mutirão da transcidadania teve como principal ação a retificação de Registro Civil

às 17h25
Compartilhe:

“Não vou passar mais pelo constrangimento de ser chamada pelo nome de batismo”. É assim que Paolla Paullyne relata a mudança do seu Registro Civil. Sem palavras para expressar a sua felicidade, ela foi uma das 45 pessoas atendidas no Mutirão da Transcidadania, realizado no último sábado (22) durante o XIV Fórum de Desenvolvimento Regional do Centro Universitário Tiradentes – Unit Alagoas.

Integrado ao Fórum desde 2018, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a adequação do nome e do sexo das pessoas trans e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) regulamentou o procedimento de alteração em cartórios, o Mutirão visa à consolidação da formação humanizada dos alunos, algo que vai além da prática jurídica e do conteúdo de sala de aula. 

“Promover esta ação é um momento de concretização da cidadania para a população trans, viabilizando a inserção dessas pessoas na sociedade quanto ao acesso à educação, saúde e mercado de trabalho”, relatou a professora do curso de Direito e coordenadora do Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ), Mariana Falcão Soares.

A docente destacou também que o mutirão é uma ocasião de promoção da humanidade, dignidade e respeito. “Um momento de visibilidade e combate ao preconceito, reforçando o compromisso da Unit e de seus parceiros – Tribunal de Justiça de Alagoas, Defensoria Pública e Ministério Público do Estado de Alagoas, que sempre reforçam a necessidade de trabalharmos com essa pauta importante e necessária na atualidade”, esclareceu.

Mesmo com esses avanços jurídicos, as pessoas trans ainda encontram diversas burocracias em cartórios para realizarem a adequação do nome e sexo. Procurando ser uma alternativa, o Mutirão da Transcidadania vem fazendo a diferença oferecendo um serviço rápido para pessoas como Paolla que já tinha perdido a esperança de ser reconhecida e respeitada pelo seu próprio nome.

Por Flávio Marcílio Maia – Asscom Unit/AL

Compartilhe: