MENU

Médica e professora da Unit fala da prevenção ao câncer de colo de útero

Ela explica a importância do exame preventivo ao câncer e incentiva visitas regulares ao ginecologista

às 19h26
Mês de março é dedicado a prevenção do câncer do colo do útero
Mês de março é dedicado a prevenção do câncer do colo do útero
Compartilhe:

Você já ouviu falar em Papanicolau? E sabia que o mês de março é dedicado ao alerta sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento do câncer do colo do útero? É buscando conscientizar as mulheres para as causas e incidência da doença entre as brasileiras, que conversamos com a médica ginecologista Maria Jackeline Caldas, professora do curso de Medicina no Centro Universitário Tiradentes (Unit/AL).

Com exceção apenas do câncer de pele, o câncer do colo do útero é o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina, atrás apenas do câncer de mama e do colorretal. Ele representa a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

A ginecologista Maria Jackeline Caldas explica que o câncer do colo do útero é causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano (HPV). Ela destaca que a avaliação ginecológica, a colposcopia e o exame citopatológico de Papanicolaou realizados periodicamente são recursos essenciais para o diagnóstico precoce da doença. 

“O diagnóstico precoce é importante para identificar possíveis lesões ainda na fase de pré-malignidade; o exame de Papanicolau é simples, rápido e realizado no próprio consultório médico”, lembra a especialista. 

Fatores de risco e a prevenção ao câncer

A ginecologista apela para que as mulheres fiquem atentas aos possíveis sintomas da doença, bem como observem se têm algum dos fatores de risco para este tipo de câncer:

“A infecção pelo HPV representa o maior fator de risco para o surgimento do câncer de colo de útero. Apesar de existir mais de uma centena de tipos desse vírus, somente alguns estão associados ao tumor. Também são fatores de risco, o início precoce da atividade sexual, múltiplos parceiros sexuais ou parceiros com vida sexual promíscua, consumo de cigarro, baixa imunidade, más condições de higiene e histórico familiar”, explica.

Além de fugir dos fatores de risco, a médica aponta que outra medida preventiva importante é a imunização contra o HPV. Ela destaca que a vacina é segura, tem eficácia comprovada e protege contra alguns dos principais tipos de vírus relacionados ao câncer. 

Maria Jackeline Caldas esclarece que o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece o para meninas de nove a 14 anos, meninos de 11 a 14 anos, pessoas que vivem com HIV e transplantados entre nove e 26 anos (desde que estejam em acompanhamento médico). A vacina tem duas doses, com espaço de seis meses entre a primeira e a segunda dose. 

“Apesar de a orientação da administração da vacina ser a partir dos nove anos, não existe idade mínima para as meninas iniciarem a imunização. Também como medida preventiva, nunca é demais ressaltar que o uso da camisinha em todas as relações sexuais é um cuidado indispensável contra a infecção não só pelo HPV, mas também por outros agentes de infecções sexualmente transmissíveis como a aids”, completa a especialista.

A ginecologista alerta ainda que mesmo as mulheres vacinadas contra o HPV devem continuar fazendo o exame de rastreamento de Papanicolaou, que também é oferecido pelo SUS nas Unidades Básicas de Saúde. Segundo ela, existem alguns tipos de vírus não contemplados pela vacina que também podem provocar o tumor.

Clínica médica

Além da Unidade Básicas de Saúde, as mulheres podem contar com a Policlínica da Unit/AL para cuidar da saúde. A clínica está localizada no Campus Amélia Maria Uchôa, na Avenida Gustavo Paiva, 5017, Cruz das Almas, e oferece atendimentos gratuitos nas áreas de Ginecologia, Medicina da Família e Comunidade, Clínica Médica, Cardiologia, Dermatologia, Endocrinologia, Infectologia, Gastroenterologia, Obstetrícia, Reumatologia, Ortopedia, Psiquiatria, Neurologia, Nefrologia, Pediatria e Geriatria.

Para garantir atendimento médico, o interessado deve fazer primeiramente o agendamento pelos telefones 3311-3209 e 98886-6911, de segunda à sexta-feira, das 08h às 12h e de 13h às 16h. 

Os atendimentos ambulatoriais acontecem de segunda à sexta-feira, das 7h às 22h, com qualidade garantida pelo corpo docente de médicos da Unit/AL, que acompanha de perto as consultas realizadas pelos estudantes em períodos finais dos cursos de Medicina, e obedecendo a todos os protocolos de biossegurança e distanciamento social.

Por Iracema Ferro – Algo Mais Consultoria e Assessoria 

Leia também:

Policlínica da Unit/AL disponibiliza atendimento médico gratuito

Medo da pandemia não deve afastar grávidas do pré-natal

Compartilhe: