MENU

Live Tiradentes discute respaldo legal na teleconsulta de profissionais de enfermagem


às 12h27
Live está disponível no canal do Youtube da Unit AL
Live está disponível no canal do Youtube da Unit AL
Compartilhe:

Discutindo os amparos legais e situações reais do dia a dia da enfermagem e suas contribuições principalmente nesse momento de pandemia, a Live Tiradentes trouxe, nessa terça-feira (09), o tema: ‘Teleconsulta: Respaldo legal e perspectiva para atuação do enfermeiro’. A live foi apresentada pelos especialistas Wbiratan de Lima Souza e Rachael Miranda dos Santos.

Wbiratan é Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (UFF), professor da graduação em Enfermagem e coordenador da Pós-Graduação em Urgência, Emergência e UTI da Unit/AL, entre outros títulos de especialização e pós-graduação.

Ele apresentou o conceito de teleconsulta, a consulta de enfermagem de forma remota, por meio de tecnologias seguras de comunicação online, como videoconferências e aplicativos de vídeo-chamadas com o uso de computadores, tablets ou smartphones.

Wbiratan também abordou formas de pensar a teleconsulta na enfermagem: a aplicabilidade para enfermeiros, buscando assistência de um especialista para uma segunda opinião no processo de trabalho; e entre enfermeiros e pacientes, que pode acontecer de forma síncrona, com interação de ambos, ou assíncrona, em horários diferentes e sem interação direta entre eles

O professor ainda trouxe para o debate os aspectos legais da atuação do enfermeiro, mostrando a legislação básica da enfermagem, como a Resolução COFEN 564, de 2017, em vigor, falando sobre o código de ética do profissional da área. O especialista ressaltou que o Conselho Regional de Enfermagem (Coren/AL) criou uma resolução para ampliar a atuação legal do enfermeiro não só de forma presencial, mas também não presencial, regulação amparada pelo próprio Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) ainda antes da pandemia.

“Com a pandemia, tivemos que mudar um pouco nossa performance de atuação, saindo da zona de conforto da modalidade presencial e passando a atuar também em outras modalidades necessárias para o momento. Antes da pandemia o COFEN já havia criado, por meio da resolução 568, de 2018, outras possibilidades de atuação, como a criação de clínicas e consultórios de enfermagem”, frisou Wbiratan.

O professor complementou que com a pandemia, os profissionais chegaram a ter dúvidas se poderiam, ou não, realizar as teleconsultas de enfermagem na atuação contra à covid-19. A questão, todavia, foi logo elucidada pelo COFEN que autorizou a prática por meio da resolução n° 634/2020, de 26 de março de 2020.

Registro de informações e novos métodos ainda na graduação 

Em seguida, foi a vez de Rachael Miranda dos Santos iniciar sua explanação. Rachael é do Rio de Janeiro, Mestre em Enfermagem Assistencial pela UFF, professora da Universidade Estácio de Sá, membro do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Telessaúde da Policlínica Piquet Carneiro da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e atualmente é coordenadora de Enfermagem do Centro de Terapia Infusional e Biológica da UERJ.

A especialista falou sobre a importância da normatização e registro de informações sobre teleconsulta para que o enfermeiro tenha um maior respaldo legal para a prática, com ações já repassadas na formação dos profissionais.

“Esse é um momento crucial para começar a discutir a telenfermagem e o uso das tecnologias da informação para a prática da enfermagem já na graduação. Precisamos que esse debate faça parte da formação do enfermeiro para que ele tenha o contato com essas tecnologias desde cedo e consiga se adaptar melhor dentro desses processos”, afirmou Rachael.

Ela reforçou a relevância da utilização de novas ferramentas tecnológicas para a teleconsulta. “A pandemia veio para nos tirar da zona de conforto e nos fazer repensar nossas práticas. A teleconsulta via smartphones e outras tecnologias fazem todo sentido nesse momento e têm se mostrado muito eficazes, sobretudo no cenário de recessão, já que ela traz economia aos cofres públicos e empresas”, concluiu Rachael.

Assista a live completa aqui.  

Compartilhe: