MENU

Órgão federal reconhece excelência das análises do ITP e renova a Acreditação


às 14h48
Compartilhe:

Selo de Acreditação Cgcre/Inmetro só é fornecido aos laboratórios após exigente auditoria

A Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro renovou, por mais dois anos, o Escopo de Acreditação do Laboratório de Estudos Ambientais do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (LEA/ITP) para análises e ensaios de matrizes do Meio Ambiente, de acordo com a ABNT NBR ISSO/IEC 17025:2017, normativa que regulamenta os parâmetros de análises para obtenção da acreditação federal, após rigoroso processo.

O selo de Acreditação CGCRE só é fornecido aos laboratórios após exigente auditoria realizada pelo órgão federal de controle, e atesta a competência técnica da entidade para a realização de ensaios e calibrações. O ITP é uma unidade do Grupo Tiradentes localizada em Aracaju/SE, criada há 22 anos e vocacionada, exclusivamente, para a pesquisa científica, tecnológica e inovação, que também presta serviços em diversas áreas, dentre elas, a ambiental.

“A renovação da Acreditação é uma importante conquista para nós do ITP, bem como para os nossos clientes e o estado de Sergipe, pois, é a certeza de que localmente possuímos uma instituição que atende às demandas ambientais através de análises laboratoriais com imparcialidade e confidencialidade; que utilizamos os métodos validados nacional e internacionalmente; além de termos rastreabilidade dos resultados, grandes diferenciais de qualidade que exigem acentuados investimentos. Enfim, é a garantia que damos aos nossos usuários, sejam pessoa física ou empresas, de que temos excelência no serviço que ofertamos”, declarou o presidente do ITP, Dr. Diego Menezes.

Dentre os vários serviços oferecidos pelo LEA/ITP estão as análises físico-químicas, cromatográficas gasosas e líquidas e por ICP-OES de diversas matrizes ambientais, a exemplo da água e do solo. Saber se a água que está sendo fornecida para a população em diversos locais, como escolas e hospitais, é de boa qualidade é possível por meio de análises laboratoriais como as realizadas pelo ITP, a exemplo das análises de água tratada, bruta, para consumo humano e residual; análise de contaminação por metais tanto na água quanto no solo; amostragem em rios, nascentes, poços, represas e sistemas alternativos de abastecimento público, das residências e/ou prédios, dentre outros.

O LEA/ITP também realiza a análise e amostragem em Estações de Tratamento de Águas, redes de distribuição e sistemas alternativos de abastecimento público, além de fazer amostragem em redes de captação de Estações de Tratamento de Efluentes, tanques sépticos e redes de esgoto. Aliás, a análise de efluentes é outro importante serviço prestado pelo ITP para diversas empresas e indústrias instaladas ou não em Sergipe, e que precisam apresentar aos órgãos de controle e fiscalização resultados de análises dentro do que determinam as Resoluções 357, 396 e 460 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

De maneira geral, estas resoluções tratam sobre as classificações dos corpos de água e diretrizes ambientais para o enquadramento destes, além de estabelecer condições, parâmetros e padrões para a gestão do lançamento de efluentes em corpos de águas receptores.

Água, saneamento e bem-estar

O cumprimento das resoluções CONAMA citadas no texto é uma questão de saúde pública, como aponta a organização Água das Nações Unidas. Segundo ela, 829 mil pessoas morrem, anualmente, por doenças causadas diretamente por água insegura, saneamento e práticas de higiene inadequados. A entidade da ONU também estima que, atualmente, 50% da desnutrição infantil esteja associada à água contaminada, saneamento inadequado e higiene precária.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), 2,2 bilhões de pessoas não têm acesso a serviços de água potável e 4,2 bilhões a serviços de saneamento gerenciados de forma segura. No Brasil, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), mais de 17 milhões de pessoas não têm acesso a água potável, porém, apesar disso, o principal desafio do País é a qualidade e não a quantidade.

Por Andréa Moura l Assessoria de Comunicação ITP

Compartilhe: