MENU

Golpes do Pix: saiba como funciona e como se proteger

É comprovado que atualmente o pix responde por cerca de 70% dos crimes financeiros, por isso, é importante conhecer as fraudes e golpes que o envolvem

às 17h32
Compartilhe:

De acordo com uma matéria realizada pelo site Exame, a quantidade de golpes por transições realizadas no pix já chega perto de 1,8 milhões, isso só considerando o ano de 2022. E, embora existam uma diversidade de maneiras de realizar uma transação bancária, nos últimos anos a forma mais popular e segura é através do pix. 

Atualmente, existem alguns modelos de golpes envolvendo o pix no mercado. Uns são aplicados via engenharia social, onde a fraude começa na tentativa de enganar a vítima via contato pessoal e conseguir dados pessoais, inclusive os bancários; outro muito popular é o furto de senha e dados por links falsos; e um golpe que vem ocorrendo recentemente é o da “falha do pix”, onde os golpistas informam a vítima, via whatsapp, sobre uma falha do sistema pix, e como isso, eles relatam sobre a oportunidade de ganhar dinheiro realizando uma transação de um valor X em um pix informado pelos golpistas. 

Mas afinal, quais medidas podemos tomar para evitar esses golpes?

  • O primeiro passo é conferir quem enviou a mensagem ou e-mail, e nunca clicar em links ou sites suspeitos; 
  • Sempre realize transações diretamente no aplicativo do seu banco, intranet ou agências, evitando clicar em links que prometem cadastro de chave pix;
  • Quando receber links de pagamento, sempre verificar se a plataforma de utilizada é confiável;
  • Nunca realize cadastro de de chaves ou dados do pix por telefone ou em sites duvidosos; 
  • Sempre confira os dados do receptor da transação, evitando assim fraudes. 

Porém, sabemos que mesmo se resguardando, ainda há a possibilidade de cair em golpes ou fraudes. Caso isso aconteça  por descuido,  como o fornecimento de dados em canais que não sejam os da própria instituição financeira, o comum é que não exista ressarcimento, por causa disso, alguns bancos já começaram a oferecer seguros que cobrem danos que ocorrem por conta do pix.  No mais, o ideal é que nessas situações, a pessoa lesada entre em contato imediatamente com o banco, e assim seja direcionado para a melhor atitude a ser tomada. 

Compartilhe: