MENU

Fisioterapia auxilia na melhora de distúrbios do sono

Profissional com o devido treinamento na área de medicina do sono pode atuar em diferentes procedimentos no cuidado com a saúde

às 14h30
A má qualidade do sono pode agravar uma série de doenças, mas ser melhorada com a ajuda da fisioterapia especializada, entre outros tratamentos (Unsplash)
A má qualidade do sono pode agravar uma série de doenças, mas ser melhorada com a ajuda da fisioterapia especializada, entre outros tratamentos (Unsplash)
Compartilhe:

Insônia, apnéia obstrutiva do sono e síndrome das pernas inquietas são os distúrbios do sono mais comuns. Além destes, o sono insuficiente e o atraso de fase de sono também atrapalham muita gente a ter uma noite tranquila e revigorante. E o resultado disso vem de manhã, com indisposição, fadiga, sono e mau humor. Para cuidar deste problema desagradável e prejudicial à saúde, a fisioterapia pode ser uma aliada. 

O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) reconheceu, em agosto deste ano, o exercício da fisioterapia nos distúrbios do sono como área de atuação própria do profissional. Também considera como distúrbios do sono os de origem respiratória, cardiocirculatória, neurológica, metabólica, entre outros. O não tratamento destes casos pode levar a consequências mais sérias para a saúde.

A procura por um fisioterapeuta respiratório especialista em distúrbios respiratórios do sono (DRS) pode prevenir essa piora relacionada ao desenvolvimento ou agravamento de uma série de doenças sistêmicas. E de acordo com a Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (Assobrafir), o fisioterapeuta com o devido treinamento na área de medicina do sono pode atuar de forma diversificada no mercado de trabalho.

O conhecimento de anatomia, fisiologia e fisiopatologia do sistema respiratório são fatores importantes da capacidade deste profissional. Desde a execução de exames e titulação manual da pressão de tratamento, assim como na leitura dos registros polissonográficos e treinamento de técnicos, até o gerenciamento do próprio laboratório ou clínica com instalação e manutenção de equipamentos de registro, entre outras atuações que podem ser alternativa para o profissional ou aspirante. 

Em disputa

Vale ressaltar, contudo, que a recente decisão do Coffito (nº 536, de 10 de agosto de 2021) foi alvo de uma ação judicial proposta pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). A ação civil pública pedia a suspensão dos efeitos da Resolução, mas o Juízo da 17ª Vara Federal de Brasília decidiu pela manutenção da normativa, negando o pedido feito pela entidade médica.

Na decisão, o juiz informou que “a pretensão de impedir a elaboração de laudos e diagnósticos exclusivamente fisioterapêuticos em relação aos distúrbios do sono não se revela teleologicamente adequada, ou legalmente sustentada, em face dos ditames da Lei nº 6.316/75 e das normas regulamentares pertinentes”. Ele ainda reforça quea realização de diagnóstico não se caracteriza como atividade exclusiva do profissional médico”. Esta decisão, no entanto, ainda cabe recurso. 

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: