MENU

Ensino ineficaz na pandemia afeta geração inteira de jovens, diz pesquisa

Pesquisa revela que em 2020, estudantes do ensino médio perderam proficiência no ensino de disciplinas, a exemplo, de português e matemática

às 21h35
Pesquisa do Insper apontou que a ineficácia do ensino na pandemia pode atingir uma geração inteira de jovens (Unsplash)
Pesquisa do Insper apontou que a ineficácia do ensino na pandemia pode atingir uma geração inteira de jovens (Unsplash)
Compartilhe:

As lacunas provocadas pela pandemia da Covid-19 na educação de crianças e jovens brasileiros neste período de pouco mais de um ano de suspensão de aulas presenciais, dificilmente serão reparadas em curto ou médio prazo. Segundo uma pesquisa, a ineficácia do ensino na pandemia pode atingir uma geração inteira de jovens.

O estudo intitulado “Perda de Aprendizagem na Pandemia” foi desenvolvido pelo Insper em parceria com o Instituto Unibanco e mapeou o panorama onde estão inseridos estudantes que finalizaram o 2º ano do Ensino Médio no ano passado e iniciaram o 3º ano em 2021. Neste caso, segundo os pesquisadores, o impacto é ainda maior, já que para esse grupo há pouco tempo para que as perdas em termos de aprendizagem sejam recuperadas.

“Nessa pandemia o que percebemos são várias lacunas que se fizeram presentes em várias áreas, dentre elas, a Educação. O que vimos é que o Brasil não estava preparado para esse processo de digitalização, que precisou ser colocado em prática da noite para o dia. Na maioria das nossas escolas, públicas municipais ou estaduais, que já não tinham a estrutura adequada, isso acabou repercutindo negativamente em todo o processo e nos resultados voltados à Educação. Nós professores, por exemplo, não tivemos tempo suficiente para nos adequarmos à realidade, prepararmos o material voltado àquela necessidade, uma vez que as aulas passariam a ser remotas, e isso repercutiu no professor, mas principalmente no aluno”, destaca o professor Anderson Teixeira de Souza, docente do curso de Pedagogia EAD, da Unit Sergipe.

A pesquisa concluiu que, ao longo do ano passado, esses alunos perderam proficiência nas disciplinas de Matemática e Português equivalente a 10 e 9 pontos, respectivamente, na escala Saeb, que é a avaliação nacional realizada periodicamente a respeito do desempenho dos estudantes.  

“Esbarramos também em outra dificuldade no Ensino em meio à pandemia: a falta de compromisso do aluno. É preciso que ele desenvolva nesse momento o seu conhecimento, mesmo sendo mediado à distância pelos professores, gerenciando seus estudos e a família precisa estar presente. O que acontece é que estamos com um problema muito grande, porque muitos alunos deixaram os estudos, abandonaram a escola, pois precisaram ajudar seus pais, já que por causa da pandemia muitas pessoas perderam o emprego. Estamos vendo uma evasão escolar muito grande por causa desse cenário pandêmico e tudo isso repercute negativamente para com a ineficácia do processo e acaba respingando em todos os agentes envolvidos neste ciclo”, analisa o professor.

Ainda de acordo com a pesquisa, caso nada for feito para mudar esse cenário. A perda para os estudantes que cursam neste momento o 3º ano do Ensino Médio pode chegar a mais da metade de todo o aprendizado adquirido em Língua Portuguesa e quase que o total do que seria aprendido em matemática ao final de 2021. 

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: