MENU

Desenvolvimento acadêmico

Estudante de Enfermagem, Andressa Cavalcante, apresenta trabalhos durante o III Simpósio Internacional de Estomaterapia

às 21h01
Compartilhe:
Andressa Cavalcante teve dois trabalhos aprovados em Simpósio Internacional

Andressa Cavalcante teve dois trabalhos aprovados em Simpósio Internacional

Andressa Lima Cavalcante, estudante do sétimo período de Enfermagem do Centro Universitário Tiradentes – Unit –, participou do III Simpósio Internacional Norte/Nordeste de Estomaterapia, com o tema: Estomaterapia: possibilidades e perspectivas na prática do enfermeiro.

Andressa apresentou dois trabalhos: “O uso de fitoterápicos do tratamento de Tinea pedis” e “Assistência de enfermagem ao paciente com epidermólise bolhosa”. A pesquisa realizada entre março e abril de 2014, apresenta as ações dos remédios à base de extrato de plantas no tratamento de Tinea pedis, popularmente conhecida como frieira. De acordo com os dados do estudo, é possível utilizar fitoterápicos com ação antifúngica no tratamento desse tipo de infecção. “É comum usar plantas medicinais no tratamento de inflamações da pele, pelo costume transmitido por nossos avós. Sempre há dúvidas de como tratar a frieira, mas pude demonstrar, por meio das análises obtidas, que há razão em cuidar dessas dermatofitoses com ervas medicinais”, afirmou Andressa Cavalcante.

O outro tema apresentado, “Assistência de Enfermagem ao paciente com epidermólise bolhosa”, discorre sobre um tipo de afecção hereditária, rara e que ainda não há cura conhecida. O tratamento, indicado na pesquisa, é preventivo para evitar lesões e aliviar a dor. De acordo com a aluna, esta patologia congênita é desconhecida em âmbito popular e é fundamental que exista uma maior divulgação para evitar possíveis complicações.

Realizado por mais quatro estudantes (Daniela Rodrigues, Durval Neto, Gleicy Correira e Laíse Matias) o projeto teve orientação da professora Luciana de Melo Mota. “O curso de Enfermagem da Fits proporciona aos alunos inúmeros oportunidades desde o início da graduação, seja com monitoria, submissão de trabalhos em eventos internos, PROBIC, PROVIC, dentre outros. É importante o estímulo e entendimento dos alunos em relação à produção científica, efetivando, assim, os três pilares: ensino, pesquisa e extensão”, complementa Andressa Cavalcante.

ESTOMATERAPIA

A Estomaterapia, como especialidade, é muito jovem. Oficialmente, nasceu em 1961, na Cleveland Clinic Foundation – Estados Unidos da América – onde foi instituído o primeiro curso do mundo. A base é a enterostomia e seus precursores foram Rupert Turnbull (médico coloproctologista) e Norma Thompson Gill (paciente de Turnbull), ambos considerados os pais da estomaterapia mundial. Porém, gradativamente foram sendo incorporadas as demais estomias e as áreas que compõem a especialidade atual.

A estomaterapia, desde 1980, é uma especialidade – latu sensu – da prática da enfermagem, voltada para o cuidado de pessoas com estomias, feridas agudas e crônicas, fístulas, drenos, cateteres e incontinências anal e urinária.

CONGRESSO

O III Simpósio Internacional Norte/Nordeste de Estomaterapia foi realizado no hotel Ritz Lagoa da Anta, em Maceió, com mais de 25 palestrantes de renome nacional e internacional.

“O evento serviu para trocar experiências com estudantes de outras faculdades em relação à estomaterapia. Me sinto realizada, a cada novo congresso, em evoluir as relações interpessoais e crescer como acadêmica de Enfermagem ”, afirma a estudante Andressa Cavalcante.

 

Compartilhe: