MENU

Curso discute diversidade para a educação infantil das redes públicas

Parceria entre SEE e Ufal oferece capacitação para construção de documento regulador para as três temáticas no âmbito educacional

às 19h42
Seminário discute diversidade para a educação infantil
Seminário discute diversidade para a educação infantil
Compartilhe:

A diversidade sexual na escola foi tema da segunda etapa presencial do curso Educação em Direitos Humanos, Relações de Gênero e Diversidade Sexual realizado nesta quarta-feira (3) na Faculdade Integrada Tiradentes. Ao todo, 120 educadores das redes públicas estadual e municipal de Alagoas participaram do curso, uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEE) e a Universidade Federal de Alagoas (Ufal). O objetivo é aprofundar, dentro de uma base teórica e legal, a discussão sobre direitos humanos, diversidade sexual e relações de gênero no ambiente escolar.

Na ocasião, a temática foi abordada em duas palestras da professora Cláudia Maria Ribeiro, da Universidade Federal de Lavras (MG): “Educação para Diversidade Sexual” e “Diversidade Sexual na Educação Infantil”. O diretor de Modalidades e Diversidade da Educação Básica da SEE, Ademir Oliveira, explica que o propósito do curso é preparar o professor para lidar com o preconceito e conta que, pela primeira vez, a rede pública alagoana discute a temática da diversidade no âmbito da educação infantil.

“Trata-se de um tema muito complexo e que está englobado nesta ampla temática dos direitos humanos. Estamos trabalhando o assunto de forma interdisciplinar e transversal, de forma a preparar o nosso professor a lidar com estas questões para que evite qualquer manifestação discriminatória em sala de aula, seja ela qual for”, ressalta.

Propostas pedagógicas

Após a conclusão do curso, serão produzidas propostas de intervenção pedagógica relacionadas aos três temas para a escola, conforme esclarece Ademir Oliveira. “As pessoas que participarem deste curso serão responsáveis pela elaboração de um caderno de orientações pedagógicas sobre diversidade, gênero e direitos humanos. A elaboração deste documento será acompanhada por técnicos da rede estadual e da universidade e, posteriormente, será submetida ao Conselho Estadual de Educação para normatização”, explica Ademir. “Além disso, ele também será útil na discussão da Política Estadual de Educação em Direitos Humanos, processo que se encontra em fase de construção”, complementa.

Outra consequência do curso será a realização de capacitações similares nas Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) e municípios. “As pessoas que participarem desta formação atuarão como multiplicadores junto aos professores de seus municípios e teremos um trabalho de formação contínuo desta temática”, adianta Ademir.

 

Ana Paula Lins/ SEE

Compartilhe: