MENU

Coronavírus (Covid-19) e Nutrição

Alimentação é importante para fortalecer o sistema imunológico em tempo de Coronavírus

às 20h50
Alimentação saudável é fundamental para o sistema imunológico
Alimentação saudável é fundamental para o sistema imunológico
Compartilhe:

No dia 30 de janeiro de 2020, foi declarada uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional pela Organização Mundial de Saúde (OMS) devido a disseminação do novo Coronavírus (COVID-19). Em 11 de março de 2020, pela dimensão do surto, a OMS classificou como uma pandemia. 

Até o presente momento, não há medicamento ou vacina específicos para o Coronavírus COVID-19. Embora apenas idosos e pacientes portadores de doenças crônicas sejam considerados do grupo de risco para doença, é importante que todos tomem as medidas de precaução recomendadas por órgãos internacionais e nacionais da saúde.

Coronavírus: Cuidados preventivos

As recomendações para proteção contra o Coronavírus são: higienizar frequentemente as mãos, cobrir a tosse ou espirro com a parte interior do cotovelo ou lenço, e sempre estar distante de pessoas que estão espirrando ou tossindo.

O Coronavírus, por se tratar de uma doença viral, é imprescindível que o sistema imunológico esteja funcionando adequadamente. E mesmo que isso não seja garantia de impedimento do contágio, um organismo saudável e com mecanismos de defesas eficazes, receberá impactos menores da doença, se houver contaminação.

Diante disso, sugere-se que a alimentação deve ser o mais natural possível, rica em frutas, legumes e verduras, evitando os alimentos industrializados (e consequentemente gordura, sal e açúcar). Ofertando assim, todos os nutrientes para as células imunológicas.

Assim, priorize o consumo de alimentos que possuam nutrientes como vitamina C, A, B12, ácido fólico, B6, D, e E. Bem como minerais zinco, cobre, ferro e selênio, ômega 3 e fibras que contribuem com a saúde intestinal pela relação desta com o sistema imunológico.

Conheça o papel de diversos micronutrientes para o sistema imunológico:

Vitamina A: encontrada em alimentos como fígado, peixe, óleos, frutas e vegetais, leite e derivados. É capaz de aumentar a diferenciação dos linfócitos, estimulando a fagocitose, aumentando nossa capacidade de defesa.

D: encontrada em alimentos como óleo de peixe, óleo de fígado de bacalhau e gema de ovo. Sua ação depende da síntese na pele pela exposição solar, desempenha interação com o sistema imunológico além da sua função no metabolismo do cálcio e formação óssea.

E: encontrada em grande variedade de alimentos de origem vegetal, como: óleos vegetais, germe de trigo, milho e soja, exerce um importante papel como antioxidante.

C: encontrada em alimentos como caju, goiaba, laranja, acerola, pimentão amarelo, tem atividade antioxidante. Auxilia ainda na proliferação das células de defesa e na função dos fagócitos e na produção de citocina, o que é essencial pra o funcionamento adequado do nosso sistema imunológico.

Conheça outros nutrientes também encontrados nos alimentos:

Riboflavina: encontrada em alimentos como vegetais folhosos (couve, brócolis, espinafre, repolho, agrião, entre outros), ovos, carne, semente de girassol, ervilha. E em maior quantidade, na soja, no leite e em frutos do mar, atua na imunidade aumentando o número de linfócitos circulantes

Ácido pantotênico (B5): encontrado em alimentos como a gema de ovo, leveduras, rim e fígado de animais, brócolis, batata, gérmen de trigo, abacate, tomate, carne bovina magra, leite desnatado, batata doce, melhora a resposta imunológica.

Piridoxina (B6): encontrada em alimentos de origem animal, como carnes, de porco, principalmente, leite e ovos. Entre os alimentos de origem vegetal, as principais fontes são: batata inglesa, aveia, banana, gérmen de trigo, abacate, levedo de cerveja, cereais, sementes e nozes. Aumenta o número de linfócitos, a produção de IL-2 e consequentemente a produção de imunoglobulinas.

Vitamina B12: encontrada em alimentos como peixes de águas frias e profundas, como salmão, truta e atum, fígado, carne de porco, leite e derivados, ovos e ostras. Atua melhorando a atividade dos fagócitos e estimulando a proliferação de linfócitos T.

Veja mais:

Zinco: encontrado em alimentos como ostras, carne de boi, fígado, sementes de abóbora, amêndoa, amendoim, castanha-do-pará, estimula a proliferação de linfócitos T, além de atuar minimizando o estresse oxidativo.

Cobre: encontrado em alimentos como ostras, cereais integrais, caju, amendoim, amêndoa, nozes. É capaz de aumentar a produção de IL-2 e consequentemente de imunoglobulinas.

Selênio: encontrado em alimentos como peixes, carnes de boi, frango, queijos, leite desnatado, ovos, castanhas-do-par, castanha-de-caju. É um importante agente antioxidante por ser parte da enzima glutationa peroxidase. Mas, também influencia na síntese de citocinas e imunoglobulinas e na proliferação linfocitária.

Ferro: encontrado em fontes animais (carne bovina, fígado, frango, peixe). E em fontes vegetais (leguminosas, como feijão, ervilha, fava, grão-de-bico, vegetais folhosos de cor verde escura como couve, agrião, couve, espinafre).

É importante lembrar que para absorver numa maior proporção o ferro proveniente das fontes vegetais é necessário, consumir de forma simultânea com alimentos ricos em vitamina C. Ele é capaz de estimular a proliferação dos linfócitos (imunidade).

Omega 3

Além desses micronutrientes, o ômega-3 exerce um importante efeito anti-inflamatório, contribui para fluidez das membranas celulares, e auxiliam na formação de substâncias que atuam como cofatores enzimáticos, contribuindo para regulação do sistema imunológico.

Pode ser encontrado principalmente em óleo de peixes, sardinha, salmão, anchova, arenque, cavalinha, atum, chia, linhaça (óleo, farinha e o grão), oleaginosas como nozes e amêndoas, ou até mesmo suplementação (que só deve ser utilizada mediante orientação de um nutricionista).

Ademais, reduza o consumo de SAL e adicione temperos/especiarias NATURAIS (coentro, cebolinha, louro, páprica, cúrcuma);

Higienize e armazene de maneira adequada todos os alimentos, uma vez que o vírus pode estar presente em superfícies e/ou embalagens nos quais ficaram armazenados;

Aumente ou adeque a ingestão de água;

Quanto mais sua alimentação for diversificada, mais nutrientes você consumirá e mais fortalecido fica seu sistema imunológico. É importante ressaltar que um único alimento/nutriente não apresenta efeito isolado referente a funcionamento adequado do sistema imune. É preciso ter uma alimentação equilibrada associada a um estilo de vida saudável.

DICA: Leia aqui e siga as orientações do Guia alimentar para a população brasileira.

Por NDE Nutrição: Sybelle Araújo, Raphaela Costa, Jaqueline Fernandes, Ariana de Alencar, Theresa Siqueira

Confira também outras notícias sobre alimentação e nutrição em tempos de Coronavírus. Clique aqui

Saiba mais sobre o curso de Nutrição da Unit.

Compartilhe: