MENU

Anatomical body painting complementa aula de Enfermagem

Estudantes fazem uso de metodologia para aprimorar conhecimentos anatômicos

às 17h28
Como maneira de reforçar as posições anatômicas dos músculos, os alunos da turma extra, do 1º período da manhã de Enfermagem, tiveram uma aula de "anatomical body paint". Na última sexta-feira (5), ao invés de usarem lápis e papel, eles pintaram uns aos outros com o auxilio de um atlas de anatomia e do professor.
Alunos fazem uso de metodologia inovadora para fixar conhecimentos
Alunos fazem uso de metodologia inovadora para fixar conhecimentos
Os mais habilidosos arriscaram os talentos artísticos na aula de Anatomofisiologia
Estudantes exibem o trabalho no campus Amélia Maria Uchoa
Diferentes partes do corpo foram pintadas a fim de praticar mais
Com o anatomical body painting, os alunos conseguem reproduzir os músculos com o tamanho ideal
Compartilhe:

Todos 22 alunos da disciplina de Anatomofisiologia I participaram da atividade. Algumas das utilidades visíveis na dinâmica são: a movimentação; a interação e o engajamento; a possibilidade de colorir levando em consideração as reais proporções das estruturas anatômicas de superfície. Além disso, de acordo com o professor Vitor Dantas, a atividade é relevante por que transporta o conhecimento para fora das aulas de anatomia tradicionais.

“Muitos alunos têm medo das práticas de anatomia que, na visão deles, é um sacrifício ‘decorar’ cada nome de cada músculo olhando as peças sintéticas e nos cadáveres. Após termos trabalhado com os métodos tradicionais, a adição dessa aula diferenciada se torna uma espécie de grand finale, pois agora eles são os donos do conhecimento e de forma divertida, colocaram em prova o que aprenderam”, conta Vitor.

O estudante Lazaro Heleno, conta que na ocasião, a turma conseguiu ter um conhecimento mais amplo acerca da anatomia dos músculos. “Além disso, foi bom para tirar aquele clima pesado das aulas de laboratório. Apesar das dificuldades no ato da pintura, o resultado foi muito satisfatório”, afirma Lazaro.

Compartilhe: