MENU

Arranha-céus: construções de extremas alturas fascinam a humanidade

Onde estão os prédios mais altos do mundo e do Brasil; técnicas de engenharia, planejamento e construção garantem a manutenção das estruturas

às 13h51
O ‘Burj Khalifa’, em Dubai (Emirados Árabes) é atualmente o mais alto dos arranha-céus construídos no mundo, com 828 metros de altura e 163 andares (Unsplash)
O ‘Burj Khalifa’, em Dubai (Emirados Árabes) é atualmente o mais alto dos arranha-céus construídos no mundo, com 828 metros de altura e 163 andares (Unsplash)
Compartilhe:

Dos cinco prédios mais altos do mundo, apenas um não está localizado no continente asiático. O boom econômico do continente transformou a região em solo fértil para construção de arranha-céus que fascinam a humanidade. Os gigantes que parecem querer alcançar as nuvens começaram a se popularizar nos anos 1950, com o surgimento dos pontos de extrema, alturas. 

Atualmente o Burj Khalifa está no topo da lista dos cinco edifícios mais altos do mundo, com 828 metros de altura e 163 andares. Inaugurado em 2010, ele está localizado em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Uma série de documentários apresentaram ao mundo os desafios de engenharia para a sua construção.  

Na segunda colocação até o presente momento, está o Shanghai Tower, na cidade de Xangai (China), com 632 metros de altura e 121 andares. Na terceira posição, temos o Abraj Al Bait, em Meca (Arábia Saudita), com 601 metros até o topo e 120 andares. Na quarta posição, está o Ping Na Finance Centre, em Shenzhen (China), com 599 metros de altura e 115 andares. E na quinta colocação, está o Lotte World Tower, em Seul (Coreia do Sul), com 554,5 metros e 123 andares. 

Alta tecnologia

Para a construção de imponentes estruturas de aço, concreto e vidro ao redor do mundo, é grande a demanda de sistemas construtivos arrojados e com a melhor tecnologia existente. Cálculo estrutural e da área arquitetônica para a construção de arranha-céus precisam garantir a resistência às milhares de toneladas de peso da própria estrutura do edifício. 

A estabilidade vertical a determinada altura pode variar com a atuação do vento, sendo outra importante preocupação dos engenheiros e arquitetos envolvidos no projeto. Em algumas edificações muito altas, o deslocamento horizontal da estrutura, em altos edifícios flexíveis, pode até causar desconforto sensorial aos ocupantes. 

Pessoas mais sensíveis podem sentir náuseas principalmente por vibrações não amortecidas rapidamente. Caso essa movimentação gere efeitos psicológicos ou fisiológicos em seus ocupantes, podem tornar as edificações inabitáveis, por isso a concepção arquitetônica de edifícios altos deve contemplar soluções prévias.

Os pilares, à medida que se aumenta a altura das edificações, são fatores extremamente relevantes para a concepção arquitetônica das edificações elevadas. Mas estes são apenas alguns pontos a serem previstos em edificações de extrema altura como estas. 

Gigantes brasileiros

Os cinco prédios mais altos do Brasil ficam todos em Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina, que por isso já foi apelidada de a Dubai brasileira. O One Tower com sua altura total de 290 metros, tem previsão de entrega para 2022. São 84 pavimentos, sendo o edifício mais alto do país e o segundo da América Latina. Ele não fica longe do Yachthouse Residence Club, 281 metros e 81 andares. 

Outro destaque é o Infinity Coast, considerado um marco na construção civil do Brasil, por ser o primeiro a ultrapassar os 230 metros de altura. São exatos 234,7 metros, sendo o prédio finalizado mais alto do Brasil. A lista segue com o Boreal Tower com 230 metros e 64 andares e completando os cinco maiores temos a torre Vitra que impõe seus 226 metros e 67 andares na área central Balneário Camboriú.

O fortalecimento do turismo e o avanço da construção civil transformaram a economia da cidade catarinense nas últimas décadas. A região está entre as cinco com o metro quadrado mais valorizado do país. Os arranha-céus impressionam em qualquer lugar do mundo e são verdadeiros cartões-postais de suas cidades. 

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: