MENU

Alunos de Arquitetura realizam projeto de Acessibilidade nas praias de Maceió


às 19h53
Compartilhe:

Já se passaram 26 anos desde a aprovação da Lei da Acessibilidade, mas, até o momento, poucas são as cidades que realmente mostram comprometimento com a causa e com a legislação. Pensando nisso os alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo desenvolveram o projeto “Acessibilidade nas praias de Maceió”.

O espaço do lazer é um local de encontro e de convívio, ele possui uma grande importância social. Os lugares destinados ao lazer devem ser locais de integração e inclusão de toda a sociedade. Nesse grupo encaixa-se a praia, que é um espaço público, de lazer e deve ser vivenciado por qualquer pessoa, inclusive aquelas com mobilidade reduzida.

O projeto tem o objetivo de evidenciar a questão da acessibilidade humana por muitas vezes esquecida. Buscando o cumprimento da legislação sobre acessibilidade, no sentido de que as praias maceioenses possam assegurar condições de acessibilidade que viabilizem a sua utilização e desfrute, com equidade, dignidade, segurança, conforto e a maior autonomia possível, por todas as pessoas, independentemente da sua idade, de possíveis dificuldades de locomoção, ou de outras incapacidades que condicionem a sua mobilidade.

A ideia foi desenvolvido nas disciplinas de Práticas Investigativas I e Práticas Extensionistas II. Os alunos envolvidos no projeto são: Edlayne Silvestre, José Talvanes Neto, Marília Medeiros de Moura, Matheus Anselmo, Rogério Monteiro e Walif Marques.

“Como estudantes de arquitetura, devemos ter sempre como norte a utilização de critérios e parâmetros técnicos, que proporcionem à maior quantidade de pessoas, independente de idade, estatura ou limitação de mobilidade ou percepção, a utilização de maneira autônoma e segura do ambiente, edificações, mobiliário, equipamentos urbanos e elementos”, afirma a aluna Marília Moura.

Iniciativas

Tendo como ponto de partida o projeto itinerante realizado nas praias do Rio de Janeiro e o projeto realizado em Portugal, os alunos desenvolveram algumas propostas de melhorias que são: Criação de estacionamento ordenado e com lugares reservados para viaturas ao serviço das pessoas com deficiência. Construção de acesso até a zona de banhos de sol e o mais próximo possível da zona de banhos (caso existam desníveis, os degraus terão de ser complementados por rampas suaves e/ou meios mecânicos acessíveis a pessoas com mobilidade condicionada). Construção de assadeiras sobre o areal, sempre que este exista, e, nos restantes casos, um percurso pavimentado, firme e contínuo. Feitura de instalações sanitárias adaptadas, servidas por um percurso acessível. Disposição de Posto de Primeiros Socorros acessível, servido por um percurso acessível. Existência de salva-vidas. Informação ao público, à entrada da praia e na página eletrônica do município, sobre as condições de acessibilidade e os serviços de apoio disponibilizados às pessoas com mobilidade condicionada.

No dia 23 de maio, os alunos implementaram uma das melhorias e construíram um acesso até a zona de banhos de sol, bem próximo da zona de banhos. O dia contou com a ajuda da Unit, Adefal, lanchonete Tentação e do Designer Cadu Primola, assista aqui.

Experiências Nacionais e Internacionais

Iniciativas no sentido de transformar a praia em um local completamente acessível já aconteceram em algumas cidades do mundo. No Brasil, existe um projeto chamado “Praia para todos”.

O projeto foi idealizado pelo Instituto Novo Ser em 2008, com o objetivo de desenvolver, mediante parceria entre os setores público e privado, uma infraestrutura acessível para as pessoas com deficiência. O projeto acontece na cidade do Rio de Janeiro e o objetivo inicial era de que em cada posto de salvamento houvesse recursos assistivos e uma equipe técnica à disposição das pessoas com deficiência. Além disso, todo o entorno do posto deveria ser dotado de todas as exigências normativas de acessibilidade.

O programa teve enorme repercussão nacional e internacional e mudou o olhar sobre à acessibilidade nas praias brasileiras. Hoje, o projeto é itinerante e atende às necessidades de cerca de 50 pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida por dia, em cada praia.

Outro projeto de grande repercussão foi o que aconteceu nas praias de Portugal. O projeto conhecido como “Praia Acessível, Praia para todos” foi iniciado em 2005, foi resultado de uma parceria entre o Instituto Nacional para a Reabilitação, a Agência Portuguesa do Ambiente e o Turismo de Portugal.

O projeto tem um lema: um simples degrau pode torna-se uma montanha. Por causa disso, cobra que sejam cumpridas as normas em vigor relativas à acessibilidade e, se a praia respeita as leis, eles estendem uma bandeira qualificando a praia como acessível. O programa é um sucesso e continua buscar seu objetivo final: tornar todas as praias acessíveis e passíveis de serem vivenciadas por todos. O gráfico a seguir mostra o aumento significativo na quantidade de praias acessíveis desde 2005, quando teve inicio o projeto.

 

Compartilhe: