MENU

Professora do Unit lança livro na VII Bienal Internacional do Livro

Este livro é uma narrativa histórica em torno da trajetória de Antonio Ferreira Cesarino

às 13h24
O Centro Universitário Tiradentes – Unit acredita na produção científica e fomenta a pesquisa, ensino e extensão. Na última sexta-feira, 27, às 19h, no Centro de Convenções de Maceió, a Coordenadora de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Daniela do Carmo Kabengele, lançou o livro “O "pardo" Antonio Ferreira Cesarino (1802-1892) e o trânsito das mercês”.
Compartilhe:

Confira abaixo o depoimento da autora:

(1808-1892). O objetivo foi procurar apresentar o itinerário de Cesarino, observando o período histórico e os contextos em que viveu. Movendo-se dentro de uma sociedade racialmente hierarquizada, mas afeita a lógicas raciais contextuais, Cesarino, negro, era classificado sob o designativo “pardo”. Numa visão dialética, verificou-se que a classificação de Cesarino na categoria parda se deu devido a uma leitura de sua cor em relação à sua condição social e ações sociais. Além disso, argumento que o designativo pardo, operando como modalidade oposicional, era um sinal diacrítico utilizado para demonstrar a diferença. O expressivo desempenho sócio profissional e o prestígio que Cesarino alcançou ao longo da vida se fez possível também por força dessa condição social, de suas ações e pela prática de mercês e de troca de mercês. Para este trabalho, as mercês e a troca de mercês foram entendidas como préstimos, favores, dádivas, cordialidades, esforços e toda sorte de princípios e práticas úteis e proveitosas que se conectam com as capacidades de dar, receber e retribuir. O cenário escolhido para a análise é móvel, deslocando-se da Vila do Paracatu do Príncipe, noroeste mineiro, para a Vila de São Carlos, futura cidade de Campinas, interior paulista, entre a primeira década do século XIX e os primeiros anos do XX. A narrativa e a análise da trajetória de Cesarino expõem alguns traços pertinentes de sua biografia, compreendendo, em especial, as relações desse homem com a sociedade em que vivia e as disposições presentes nesse campo.

Daniela do Carmo Kabengele é Doutora em Antropologia pela UNICAMP (2012). Pesquisadora-Visitante na University of Texas at Austin, com Bolsa Fulbright (2010/2011). Foi Bolsista Ford-IFP (2007/2010). Mestre em Antropologia pela UNICAMP (2005). Eleita membro do Conselho Ético e Fiscal da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da UNICAMP (2004). Participou do Programa de Formação de Quadros Profissionais do CEBRAP para mestrandos (2002/2003). Graduada em Ciências Sociais, Bacharel em Sociologia pela UNICAMP (1998). Atualmente, é Professora Titular II do Centro Universitário Tiradentes – UNIT/AL (desde 2013); Coordenadora de Pesquisa, Pós-Graduação Extensão do UNIT/AL (2015); e Presidente do Comitê Científico da intituição (2015). Atua no Núcleo Interdisciplinar de Pós-Graduação (NIPG) do UNIT/AL.

Bienal

A VII Bienal Internacional do Livro de Alagoas acontece de 20 a 29 de Novembro de 2015, a Universidade Federal de Alagoas (Ufal), por meio de sua editora, a Edufal, promove mais uma edição do já consolidado maior evento cultural do Estado, com o apoio da Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes), da Abeu (Associação Brasileira das Editoras Universitárias), da ANL (Associação Nacional de Livrarias), da Prefeitura de Maceió, do Governo do Estado de Alagoas e de demais parceiros de instituições públicas e privadas.

Nesta sétima edição da Bienal Internacional do Livro de Alagoas, os visitantes vão poder contar com a representação de editoras universitárias e comerciais de todo o Brasil e do exterior, distribuídas em 144 estandes, com a exposição de mais de 30 mil títulos, proporcionando a estudantes, acadêmicos, professores e comunidade em geral o contato com material literário de diferentes áreas do conhecimento.

Compartilhe: