MENU

Integração Ensino – Serviço e Comunidade é tema de artigo

Publicação aconteceu na Revista Ciência Plural

às 12h25
O Centro Universitário Tiradentes – Unit fomenta a pesquisa e extensão, incentivando seus alunos e professores a produzirem conhecimentos científicos. Pensando nisso a professora Dra. Ana Marlusia Alves Bomfim, juntamente com os alunos do curso de Medicina, produziram o artigo intitulado “Uma Experiência de Integração Ensino, Serviço e Comunidade de Alunos do Curso de Graduação em Medicina na Atenção Básica no Município de Maceió - AL, Brasil”, que foi publicado na Revista Ciência Plural.
Compartilhe:

A pesquisa produzida apresenta um relato de experiência dos alunos do curso de Medicina do Centro Universitário Tiradentes – AL, acerca dos benefícios da aprendizagem da Disciplina Integração Ensino Serviço e Comunidade. Ela também proporciona o aprimoramento do aprendizado, sendo essencial para se estabelecer a ligação do que é vivenciado na teoria, com o cenário de prática dos alunos.

A realização da pesquisa foi um resultado das experiências vivenciadas pelos discentes, entre os anos de 2016 e 2017, durante o acompanhamento das atividades ocorridas na Unidade da Saúde da Família, como também através do levantamento da literatura pertinente ao tema que subsidiou a mesma.

O artigo visa trazer reflexões acerca da importância da Disciplina Integração Ensino – Serviço e Comunidade, na formação do futuro médico, no intuito de que o discente perceba que por estar inserido no âmbito da Atenção Básica, desde o início do curso, irá estimulá-lo a buscar, conjuntamente com os profissionais de saúde, soluções para os diversos problemas de saúde da coletividade, como também serem promotores da saúde proporcionando à comunidade a iniciativa de conquistar uma melhor qualidade de vida, com vistas à consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS).

A professora Marlusia, orientadora da pesquisa fala sobre como a pesquisa contribui para a formação acadêmica dos futuros médicos. “Todo esse trabalho é capaz de introduzir os discentes no universo da pesquisa e oportuniza a terem uma perspectiva ampliada, acerca do processo da mesma, bem como passam a aprofundarem-se na temática abordada. A pesquisa é uma ferramenta valiosa para aperfeiçoar qualidades desejadas em um futuro profissional de medicina, bem como para instigar a curiosidade e a criticidade daqueles mais interessados pela pesquisa”.

A Cirurgiã-dentista e Doutora em Ciências da Saúde, Ana Marlusia, ressalta que a pesquisa do seu doutorado intitulada “Relações interpessoais no desenvolvimento da Integração Ensino – Serviços de Saúde”, defendida em setembro de 2017 pela UNIFESP, contribuiu para que ela realizasse com maior desempenho e esmero a função de facilitadora, entre a Unit e o serviço de saúde, no qual os alunos estão inseridos.

Os alunos que fizeram parte da produção científica foram: Beatriz Tavares de Melo, Diandra Alcântara Jordão, Karla Silva Beserra, Lílian Siqueira Gonçalves de Andrade, Ricardo César Cardoso de Lima Junior, Rodrigo Santana de Luna Batista e Taciane Marques Cavalcante.

“A partir das novas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de medicina, o processo de aprendizado de nós estudantes requer o contato com o Sistema Único de Saúde desde o início do curso, como uma forma de entendermos a logística do SUS, ganharmos experiência e retribuirmos os nossos ganhos teórico-práticos à comunidade de acordo com as suas necessidades, através principalmente de atividades de educação em saúde, no nosso caso, a comunidade do bairro de Santa Lúcia. Ao longo desses quase 2 anos e meio de curso, pudemos interagir com o SUS e a comunidade de uma forma engrandecedora e gratificante, trabalhando principalmente o vínculo com os assistidos pela Estratégia Saúde da Família e entendendo/vivenciando desde já a importância de uma boa relação médico-paciente. Nesse contexto a disciplina IESC (Integração Ensino Serviço e Comunidade) nos traz essa possibilidade de aprimorar a humanização como futuros profissionais de saúde e entender a importância das políticas públicas de saúde assim como a sua devida aplicação, principalmente nas comunidades menos favorecidas socioeconomicamente” destaca a aluna Taciane Marques Cavalcante.

O artigo foi publicado neste ano de 2018, porém é um volume de 2017 (volume 3, número 3 da Revista Ciência Plural da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Acesse aqui: https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/13301/9353

 

Compartilhe: